O século 21 e o fim do papel moeda

neonbrand-4N3iHYmqy_E-unsplash

*Texto traduzido do inglês por Marua Salemi. Para acessar o original, clique aqui

Todos sabemos que carregar dinheiro é difícil e, para não mencionar, imundo, ter notas usadas em nossas carteiras, que passaram por muitas mãos de desconhecidos. Sim, é um aborrecimento ter de ir ao caixa eletrônico, inserir o cartão do banco, digitar o PIN, clicar em 2 ou 3 telas para fazer a mágica acontecer e pegar o "dinheiro sujo e nojento" (foi literalmente o que minha filha me disse outro dia durante uma ida ao caixa eletrônico).

Mas me lembrei que os contadores e as pessoas de finanças adoram dizer "O dinheiro é rei", ou seja, é preferível o pagamento em notas, cartões de crédito ou cheques, pois isso ajuda o fluxo de caixa da empresa. À medida que avançamos nesta vida, começamos a perceber que algumas organizações estão movendo (forçando) clientes para um universo sem dinheiro dentro de suas lojas.

Apenas nesta semana, a Amazon abriu ao público a tão esperada loja Cashless (ou melhor, sem caixa), a Amazon Go. Usando a mais recente tecnologia de IA e reconhecimento de imagem para rastrear os clientes desde o minuto em que eles digitalizam seu telefone celular até a saída, todos os diferentes produtos que eles escolhem comprar durante a visita são cobrados na conta da Amazon. Em uma frente semelhante, a Starbucks também anunciou sua estreia em uma "loja Cashless" em Seattle, aceitando apenas pagamentos com seu aplicativo Starbucks e cartões de débito e crédito.

Então, isso significa que começaremos a ver uma tendência em que os varejistas começam a se afastar do dinheiro em espécie? Alguém poderia pensar que pagar entre 2 e 3% de uma venda para as empresas de cartão de crédito seria um impedimento para as organizações de varejo, mas aponto para o fato de que os dados coletados dessas transações eletrônicas são muito mais valiosos, pois vivemos na era onde os Dados são Reis. Embora esse papel-moeda seja bom para o fluxo de caixa da organização, seu anonimato não fornece nenhum padrão de consumo ao varejista.

Voltando a 2010, o caso mais notável foi quando Target identificou que uma adolescente estava grávida antes mesmo que sua família soubesse, e isso aconteceu porque ela usou o cartão da loja para comprar itens de gravidez. Mas isso não teria acontecido se ela tivesse pago em dinheiro. O dinheiro é anônimo, a menos que você forneça seus pontos ou número de associação ao caixa antes de pagar.

A questão é a seguinte: estamos prontos para abrir mão de nossos últimos restos de privacidade, apenas porque uma loja está oferecendo uma experiência sem atrito e sem interação humana? Conveniência acima da privacidade? Antes de responder, pense na história do amigo de seu primo de segundo grau... você sabe, todos nós temos esse amigo com uma erupção cutânea e precisávamos comprar esse creme na farmácia local. Se ele pagar eletronicamente ou usar o cartão da loja, alguém saberá que ele estava com um problema e seus dados serão compartilhados em toda a cadeia, de outros fornecedores, empresas de marketing direcionadas ou mesmo com a companhia de seguros.

Então, o dinheiro ainda é rei?