Smart City e a importância da integração de ativos

 dean-rose-517340-unsplash

Texto original, em inglês, por  Dagoberto Mata Para acessá-lo clique aqui. 

O McKinsey Global Institute estima que, até 2025, dois bilhões de pessoas habitarão as 600 principais cidades do mundo (em termos de PIB), o que representa 25% da população mundial. À medida que os centros urbanos continuam crescendo, a tecnologia “Smart City”, que utiliza redes de ativos inteligentes para coletar, analisar e compartilhar dados, será cada vez mais central nas estratégias urbanas para melhorar a qualidade de vida, aumentar a segurança e eficiência energética e responder às necessidades dos cidadãos.

As iniciativas da Smart City estão ganhando cada vez mais força. Existem planos para construir novas cidades futuristas a partir do zero e ferramentas inteligentes estão sendo amplamente implantadas em centros globais históricos como Londres, Barcelona e Oslo para melhorar o fluxo de trânsito, prevenir crimes e reduzir as emissões de carbono. As tecnologias como Internet das Coisas, Blockchain, e plataformas de sistemas abertos e são centrais para essas iniciativas.

Independentemente das prioridades e objetivos ou das especificidades do mix de tecnologia, uma iniciativa bem-sucedida de implantação da Smart City requer a integração perfeita de uma ampla gama de ativos, dispositivos e sensores. A importância da conectividade e da integração de ativos para o sucesso de qualquer iniciativa Smart City é destacada por um artigo recente no Blog da Cisco, que identifica as principais tendências da indústria da Smart City. Das dez principais tendências identificadas, cinco se concentram diretamente em compartilhamento de dados, redes inteligentes e problemas de interconectividade. Esses incluem:

  • Plataformas digitais em toda a cidade para agregar e analisar dados de diferentes fontes
  • Interseções conectadas
  • Fusão de GIS, big data e analytics para criar mapas vivos de comportamento comunitário
  • Expansão de veículos conectados
  • Vinculação de veículos autônomos com sensores e redes do governo para coletar dados críticos

De outra perspectiva, a integração é essencial porque qualquer solução Smart City é construída sobre uma base de uma plataforma de IoT que deve acomodar vários padrões e protocolos. Como tal, o desafio está em selecionar uma abordagem de sistemas abertos que permita a conectividade entre dispositivos diferentes com uma quantidade mínima de personalização. Critérios-chaves incluem alavancar investimentos existentes, conectividade com ativos pré-configurados sem ampla intervenção de terceiros e a capacidade de capturar dados desses ativos em tempo real.


Construir conectividade a partir do zero, entretanto, limita a funcionalidade e leva à duplicação de esforços. Além disso, os dispositivos precisam fazer mais do que apenas acessar bancos de dados. Um sinal claro de uma solução ideal é a necessidade de desenvolver interfaces complexas para transformar os dados coletados em insights e resultados de negócios.


Em outras palavras, a conectividade precisa ser a principal prioridade de qualquer iniciativa Smart City, e os tomadores de decisão encarregados de avaliar as opções do Smart City precisam avaliar detalhadamente o compartilhamento de dados, a interoperabilidade e os recursos de comunicação. A devida diligência é imperativa - enquanto quase todas as soluções Smart City demonstrarão suas capacidades de sistemas abertos, a realidade é que algumas soluções são mais abertas do que outras.