Projetos, Soluções e a construção de um Business Case para IoT

dominik-scythe-414905-unsplash

*Texto original, em inglês, por Alejandro Nieto. Para acessá-lo, clique aqui.

As empresas que buscam os benefícios da Internet das Coisas (IoT) percorrem uma linha tênue entre cautela e agressividade. Aqueles que adotam uma abordagem excessivamente tímida de mergulhar continuamente os pés na água sem se comprometer com um curso de ação, arriscam-se a ficar para trás. Aqueles que são muito ousados, entretanto, arriscam as consequências a longo prazo de tomar a decisão errada.

Neste contexto, a distinção entre um projeto e uma solução pode ajudar uma empresa a definir a melhor maneira de justificar o investimento em IoT, bem como informar sua estratégia em torno de parcerias de IoT.

Um projeto pode ser definido como uma prova de conceito (PoC) única ou exercício projetado para atender a uma necessidade específica. Exemplos incluem avaliar o desempenho de uma linha de produção ou medir o custo da energia em uma instalação. Os projetos normalmente envolvem o envolvimento de especialistas de terceiros em um período específico e um escopo definido de atividade.

Uma solução, entretanto, requer um compromisso e investimento projetado para entregar valor e retornos de forma contínua. Essa categoria incluiria sistemas que gerenciam utilitários ou a eficiência operacional de linhas de produção e geralmente envolvem desenvolvimento de software e / ou compras de licenças de software.

Uma estratégia de IoT eficaz deve aplicar uma combinação de projetos e soluções. Em muitos casos, os projetos são a opção padrão - pelo menos inicialmente - porque as empresas não têm clareza sobre os benefícios e riscos potenciais. Embora isso faça sentido, em última análise, a chave do sucesso é reconhecer quando um projeto merece o compromisso a longo prazo de uma solução. Se um projeto discreto fornece resultados, e se um caso de negócio pode ser construído para demonstrar a geração de valor a longo prazo, dar o próximo passo e investir em uma solução faz sentido.

Por exemplo, uma empresa que busca melhorar a eficiência de suas linhas de produção e encontrar a melhor maneira de testar os recursos de IoT pode optar por prosseguir inicialmente com uma “Abordagem do Projeto” - isso permitiria uma “prova do conceito” para avaliar a benefícios obtidos durante um período específico. Uma vez que esses benefícios sejam confirmados e projetados para um escopo ampliado de operação, um caso de negócios convincente poderia ser feito para justificar o investimento necessário para uma “Abordagem de Solução”.

Um desafio na avaliação da equação projeto versus solução e é um viés potencial por parte dos provedores e parceiros. Especificamente, as empresas de consultoria provavelmente favorecerão projetos que possam ser definidos e faturados, enquanto as empresas de software tenderão para soluções na forma de venda de licenças. Embora nenhuma das abordagens seja inerentemente certa ou errada, as organizações que criam um business case para IoT devem se concentrar em seus requisitos e visualizar a abordagem recomendada pelo fornecedor no contexto adequado.

A metodologia de Mínimo Produto Viável (MVP) pode ajudar as empresas a navegar em suas opções e identificar o ponto ideal em que a cautela de um projeto dá lugar ao comprometimento de uma solução. Caracterizado pelo lançamento antecipado, feedback do usuário, ajuste e medição do ROI, o modelo MVP permite que uma empresa teste uma abordagem e “falhe rápido” com a IoT ou reconheça, justifique e quantifique os benefícios de um investimento adicional.