Pesquisa aponta 3 caminhos para transformação digital da Logística no Brasil

Pesquisa realizada pela Softtek, empresa latino-americana de TI, aponta que diante das perdas e prejuízos enfrentados pelo segmento logístico durante a pandemia, diferentes soluções tecnológicas vêm se apresentando como saídas para retomada da atividade no Brasil.

Segundo dados da Confederação Nacional do Transporte (CNT), apesar de 67,4% das empresas do ramo indicarem prejuízo no desempenho financeiro em 2020, 37% consideraram que em 2021 será um ano melhor para o setor.

Transformação Digital

Nesse sentido e de olho na transformação digital acelerada em todo mercado durante a pandemia, o estudo mapeou 3 tendências em alta para empresas que visam a se inserirem na Logística 4.0 e colherem todos os benefícios desta jornada digital.

Entre eles: melhora da velocidade de resposta, resiliência e aprendizado contínuos, controle da operação fim a fim e, como consequência, o aumento de vendas e receita.

“Em um primeiro momento, colher os resultados dessa jornada digital pode parecer difícil. Mas se o redesenho da estratégia da cadeia de suprimentos estiver alinhado com o negócio, metas, fluxos e, acima de tudo, à atual situação do mercado e da economia, o real valor desse processo será visto no crescimento e valorização da marca, no produto e no dinamismo que a empresa certamente ganhará diante da concorrência”, diz Ana Dividino, vice-presidente de negócios na Softtek Brasil.

Tendências em destaque

Começando pela digitalização dos negócios, segunda pesquisa da Softtek a Internet das Coisas (IoT) é tida como um coringa em várias empresas. Isso porque ela é uma solução altamente transformadora e ágil, que pode solucionar um problema pequeno ou mesmo orquestrar mudanças significativas e de grande impacto tanto para a empresa e clientes internos quanto para o cliente final.

Além disso, a IoT ainda oferece uma infinidade de campos de atuação, os quais vão desde melhorar e automatizar processos sem intervenção humana até otimizar fluxos que hoje dependem de inputs manuais.

Ferramentas automatizadas
Por falar em inputs, outra tendência tecnológica em alta no segmento logístico é justamente essa: ferramentas automatizadas de analytics.

“Atualmente, o mundo respira analytics. Porém, além da coleta de dados, cada vez mais é preciso interpretá-los com rapidez e traduzi-los em ações. Versatilidade é a palavra de ordem da Indústria Logística. Controle de pedidos, gestão em tempo real do estoque, entregas, updates, atualizações imediatas, dentre tantas outras tarefas podem ser gerenciadas através de PDA´s (sigla em inglês para assistentes pessoais digitais) e soluções integradas.  O próprio processo de vendas pode basear-se em dados analíticos para prever demandas, sazonalidade e até a eficiência da jornada dos clientes. Singularidades essas cruciais para uma empresa ter destaque no mercado”, explica Madilad Almassy, Business Relationship Manager na empresa.

Cabe ressaltar que diante da sanção da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais), a segurança cibernética tornar-se ainda mais indispensável para todas as organizações e negócios.

“O correto manejo de dados pessoais, sensíveis e de gestão do consentimento fazem parte de quem lida com o cliente final. Por isso, ter um programa de compliance implementado fim a fim é fundamental para garantir segurança e manter a gestão do risco sob controle, a partir de boas práticas de governança”, conclui Madilad.