O empurrãozinho do AMS na corrida pela maturidade digital

A conquista da maturidade digital leva tempo, e pode representar um desafio para muitas empresas. Afinal, à medida em que os negócios evoluem em suas jornadas de transformação digital, a busca por novas soluções tecnológicas se altera. Diga-se de passagem, por exemplo, a área de desenvolvimento de aplicações, cada vez mais sujeita a processos que de forma mandatória exigem agilidade, custo/benefício e segurança para atenderem às necessidades do mercado.

Segundo dados da McKinsey, os impactos da implementação de metodologias ágeis vão desde o aumento na produtividade e rentabilidade até maior satisfação dos clientes, podendo aumentar a performance financeira de 20% a 30% e melhorar a performance operacional de 30% a 50%.

Porém, fato é que aliada à transformação digital, a solidificação da metodologia ágil como estratégia de negócio – imperativa às empresas do futuro por garantirem uma operação rápida, estável e competitiva – exige planejamento, soluções assertivas e integração.

Até porque não basta investir em modernização digital sem garantir que as operações sigam em andamento, como toda fluidez e segurança necessárias.

Oportunidades à vista

Neste contexto, o AMS (Application Management Services) – sigla em inglês para Serviço de Gerenciamento de Aplicações – pode ser um verdadeiro aliado, já que engloba modelos fundamentais para o suporte e monitoramento das aplicações.

Inclusive, dependendo do grau de maturação digital da empresa, segmento de atuação, tamanho, sistemas utilizados e demais variantes, há diversas possibilidades de tornar a operação ainda mais inteligente e otimizada.

Dentro do rol de serviços de suporte AMS, ressalto aqui um modelo que tem ganhado cada vez mais espaço no mercado nacional: o ADM (Application Development and Maintenance). O modelo é indicado para empresas de médio e grande portes, com ativos de TI que demandem alto nível de excelência.

Entre suas abordagens, destaque para “Zero-defect operation”, voltada à qualidade e melhoria contínua com ganhos de eficiências; a expansão de atuação tecnológica SAP e não SAP; e abordagem Automation-First, a qual possibilita aprimorar a experiência dos clientes de TI com atendimento por serviços cognitivos, melhorando a produtividade e o tempo de resposta por meio da automatização dos negócios.

O sucesso do ADM se deve ao fato de que ele integra em uma governança única as necessidades de negócio, coordenando capacidades e níveis de serviços de suporte das aplicações, com métricas de qualidade e desempenho de projetos.

Na Softtek, por exemplo, dispomos de serviços de Gestão de Aplicações de última geração, concentrados no suporte de operações de negócios digitais, englobando de estimativas e serviços de consultoria ao gerenciamento diário de aplicações, suporte e melhorias.

O modelo da Softtek é usado em algumas das operações de TI mais sofisticadas do mundo, e adaptado para setores e contextos específicos, incluindo varejo, indústria, bens de consumo, serviços bancários e financeiros, seguros, viagens, hospitalidade, entre outros.

Afinal, seja qual for a estratégia de evolução digital da sua empresa, a adoção de soluções robustas de AMS, aliadas a metodologias ágeis, representam uma larga vantagem competitiva na corrida pela almejada maturidade digital.